Apenas um Garoto

perei_san@hotmail.com
Começo o ano presenteando a todos com contos inéditos, para que viajem na fantasia e quem sabe concretizem. Não existe nada mais delicioso do que uma fantasia, mas o importante é saber diluir e não deixa-la intervir no dia-a-dia. Bem vamos ao que interessa, pois tenho certeza de que vocês não curtem muito blá blá blá. Costumo escrever vários contos para o dubabadoNews e, por colocar meu endereço de e-mail para contatos, tenho recebido vários pedidos de permissão de desconhecidos para formar uma grande amizade. Entre os desconhecidos, comecei a teclar com um tal de João. Iniciamos aquele papo de sempre, como você é, o que curte, idade, etc. João era uma pessoa misteriosa e pela forma de teclar aparentava ser alguém maduro. Nosso papo foi se arrastando e eu me envolvendo cada vez mais ele, embora sem o conhecer, pois da mesma forma como ajo, ele também agia, não colocava uma foto dele. As coisas que escrevia iam me envolvendo e aguçando a minha curiosidade. Pela primeira vez, alguém havia saído de uma fantasia e se transformado em realidade. Não agüentei de curiosidade e decidi marcar um encontro com João, apenas para conhece-lo, nada além. Combinamos um encontro. Para a minha sorte, ele também era do Rio de Janeiro e morava numa cidadezinha próxima. Não acreditei que ele viesse ao meu encontro. Fiquei ansioso com a chegada daquele desconhecido que havia aguçado a minha curiosidade. Estava num quiosque em frente a praia, olhava a todos que passava, tentando geografar um perfil de João, mas tudo em vão. As horas voavam e o meu desespero aumentava. Já estava por desisti, quando subitamente estacionou uma moto e dois rapazes desceram. Falaram rapidamente e, logo um deles partiu. O segundo, tirou o capacete, colocou no braço e fez menção como que tivesse procurando por alguém. Era um loirinho, lindo, tipo capa de revista, olhos azuis, cabelos escorridos e corpo definido, de academia. Um verdadeiro Deus Grego, diga-se de passagem. Imediatamente, esse loirinho veio em minha direção. Com um sorriso discreto nos lábios, perguntou se eu era o cara da GLX. Fiquei embasbacado e respondi que sim. Daí ele se apresentou disse que era o João do msn. Quase cair de susto. Então, ele acomodou-se numa cadeira, pôs seu capacete sobre a mesa e perguntou o que eu havia achado dele. Fiquei sem respostas, eu estava vidrado, tamanho era a beleza que se destacava a minha frente. Começamos a conversar e ele me disse que tinha apenas 19 anos e que era fã da GLX e conseqüentemente meu fã, pois acompanhava todos os contos que escrevia. Disse que havia pedido ao pai para leva-lo ao meu encontro. Fiquei sem saber o que fazer. Sabe quando você fica sem ação diante de certos fatos? Pois aconteceu comigo. João percebeu a minha inquietação e começou a perguntar: “E aí?” Você faz realmente tudo o que escreve lá? Eu não tinha o que falar. Daí ele pediu para que olhasse por baixo da mesa. Não resisti e olhei. O pau de João estava duríssimo. Levantei a cabeça rapidamente e dei uma tragada na menta que estava no copo. Ele sorriu e disse: “O fato de está próximo a você já me excita”. Disse que nunca havia transado com um outro cara e estava curioso para saber como era, pois segundo ele, era virgem. Fiquei ainda mais assustado. João começou a investi em mim impiedosamente, lançando palavras e gestos alucinantes. Resolvi sair daquele barzinho e ir para algum lugar mais reservado. Seguimos para as dunas, um local na praia onde rola de tudo. João foi logo tirando a camisa, deixando a amostra o seu peitoril. Suspirei fundo e segurei a onda. Sentamos na areia e voltamos a conversar. Nisso, João silenciou, passou a me fitar e, num ímpeto, roubou um beijo meu. Nossa! Que beijo. Correspondi ao beijo daquele garoto. Em seguida começou a me acariciar e pediu para que eu também tirasse a camisa, pois queria ver o meu peito. Atendi ao pedido dele. Eu estava inerte, diante de toda a situação. Ele começou a me lamber o peito e beija a minha boca. Deitei na areia. João deitou sobre mim e prosseguiu com a investida. Sempre me beijando. Decidi tomar uma atitude. Inverti a posição. Joguei João para a areia e fiquei por cima dele. Comecei a lamber seus ouvidos, sua boca, chupando a língua, mordendo seus peitos e livrando-o da bermuda. Ele se contorcia de tesão e implorando para que eu não parasse. Ele estava completamente nu. Lindo, lindo e lindo. Seu pau já expelia um liquido oleoso. Com o nariz, passeava pelos pentelhos dourados de João. Ameaçava abocanhar a pica, mas não dava continuidade. Ele implorava: “Chupa essa porra, cara!” “Chupa essa porra!” Eu não obedecia. Suspendi as pernas dele e passei a lamber o cuzinho. Que delicia!!! João gemia, batia na areia e se contorcia. Uma das minhas mãos segurava a vara dele e com a língua desfrutava o sabor daquele reguinho. Por ser mais forte que eu, João conseguiu desvencilhar-se e inverter a posição. Arrancou a minha bermuda também e passou a repeti o que fiz com ele. Lambia meu cu, chupava o meu pau e beijava a minha boca. As gaivotas sobrevoavam lá no alto, enquanto eu e João vivíamos um tórrido momento de prazer. As vezes eu era dominado e outras vezes dominador. João deitou-se, tocando uma punheta implorou por mim. Percebi que ele estava tomado de tesão e que o seu caralho carecia de uma boa chupada. Acatei..Posicionei entre as pernas dele e iniciei um boquete. Primeiro, passei a língua entre o saco e o reguinho. Depois fui subindo com a língua bem lentamente, passando pelo pau, cabecinha.até atingir o umbigo. Quando ele mencionou segurar novamente no pau para se masturbar, tirei a mão dele e abocanhei. João soltou um: “puta que pariu” imenso. Ia sugando bem lentamente até senti-lo todo em minha boca, depois tirava e beijava o corpo dourado dele. João estava alucinado, pedindo para meter em meu cu. Ele tinha 17 cm de pica e era bastante grossa. Então ofereci uma camisinha a ele. Fiz um morro de areia, fiquei numa posição que a minha bunda ficava bastante arrebitada. João ficou de joelhos a olhar para a minha bunda. Pedi para me dá alguns tapinhas. Assim ele o fez. E repetia a todo instante: “Caralho, você é demais!” E deu a primeira estocada. Senti uma dor imensa e uma lágrima saiu dos meus olhos. João então começou a fazer um vai e vem dentro de mim. Eu correspondia a todos os movimentos. Percebi então que ele ia explodi em gozo. Consegui me livrar. João quase gritando, pedia: “Fica, porra” Vou gozar, caralho! Coloquei uma camisinha em meu pau, joguei João de bruços. Ele se debatia feito uma fera selvagem. Empurrei meu pau no cuzinho de João. Em minha primeira estocada, João uivou de dor e prazer. Simplesmente conseguiu gozar como nunca. Ao perceber que ele havia gozado, tirei o pau do reguinho de João. Livrei da camisinha e pedi para que tocasse punheta em mim. João então passou a acariciar o meu pau, beijar a minha boca e de repente, abocanhou-me. Começou a me chupar. Não resisti e explodi de prazer. Sujei o rosto e todo o peitoril daquele príncipe loiro com o jato de minha porra. Desfalecemos na areia. Um olhando para a cara do outro e sorrindo de felicidade. Algum tempo depois, João disse que a partir daquele momento seríamos amantes e que não gostaria de saber que estou com outra pessoa. No momento disse que tudo bem, mas infelizmente, a nossa natureza é essa. Vivemos e realizamos fantasias, mas sem envolvimentos. Não posso garanti o mundo a ninguém, já que ninguém me garante. Na cama, na hora do prazer, a gente fala e ouve muita coisa, porém na prática é bastante diferente. Amei ser o primeiro cara na vida daquele garoto. Espero que ele consiga ser feliz e conheça outras pessoas para viver momentos prazerosos e inesquecíveis, não igual ao que vivemos, pois cada momento vivido por nós é um milagre que jamais será repetido. Um grande beijo para todos e estou aí para novas amizades e quem sabe…(rs) Viver é o que nos basta, amar não tem limites e amor não tem limitações e nem distância. Um beijo e até um próximo conto. O meu msn é perei_san@hotmail.com é só me add. Beijos e aguardo comentários e notas!!!!


%d blogueiros gostam disto: