Archive for dezembro \10\UTC 2005

Iniciação

dezembro 10, 2005

badecousa@yahoo.com.br

Foi com bastante vontade que resolvi escrever minhas experiências. Depois de um casamento frustrado, sem filhos, resolvi me separar. Para me desligar completamente de tudo, me mudei para os EUA, onde comecei a trabalhar de auxiliar de eletricista, era um serviço interessante e bem remunerado.

Mas o que vem ao caso é como praticamente me iniciei. Um belo dia estava no serviço e junto tinha um americano, chamado Jeff, fazendo o trabalho de instalar os alarmes da casa, ele somente usava short, eu ficava olhando seus músculos, mas sem ele desconfiar.

Quando ele estava em um corredor e eu necessitei passar atrás dele, brinquei dizendo “posso passar um palmo atrás de você?” Ele consentiu, e, quando fui passar, ele estufou a bunda para trás, olhou para mim e sorriu. Por enquanto ficou só nisto. Mas uns dois meses depois, fui escalado em um domingo para ir em uma residência fazer os testes finais da parte elétrica, pois estava mobiliada e os moradores estavam prestes a se mudar.

Qual não foi minha surpresa que ao entrar na casa, o Jeff estava lá. Fui fazendo meu trabalho tranqüilo, ou quase, pois sinceramente ele mexeu comigo. Estava testando uma luminária e ele ao passar por detrás de mim falou do mesmo jeito que eu tinha lhe falado, “posso passar um palmo aí atrás?, eu consenti, e fiz o mesmo que ele, estufei a bunda para trás, olhando para ele. Ele passou e parou, me deu aquele abraço gostoso por trás e ficou me esfregando. Ato contínuo ele ficou à minha frente se abaixou e ficou esfregando o rosto em meu pênis, automaticamente foi abaixando meu short, e mordiscando por cima da cueca, abaixando usando os dentes.

Usando as duas mãos me alisava a bunda, e, não sei como, parece que estava com os dedos lubrificados e começou a introduzir em meu ânus fazendo uma gostosa massagem, minhas pernas bambearam.

Me pegando pela mão, fomos para um dos quartos. Lá me deitei em cima de várias almofadas, ficando o traseiro bastante arrebitado. Ele começou a me lamber todo, principalmente o ânus, o que me levava as nuvens, era cada linguada que eu respondia com gemidos.

Delicadamente deitou por sobre mim e colocou seu pênis na entradinha do meu ânus e ficou só esfregando. Eu delirando cada vez mais. Seu pau não era exagerado (como na maioria dos contos), e isto favoreceu a penetração, não digo totalmente indolor, mas com boa vontade suportei.

Foi penetrando bem devagar, até chegar totalmente dentro de mim, isto acompanhado por inúmeros beijos em minha nuca e ouvidos, como também gostosas lambidas. Com muita calma, ele iniciou aquele gostoso vai-e-vem que me deixou alucinado, com grande tesão e satisfação.

Quando notei que ele estava prestes a gozar, levei minhas mãos para trás e o segurei pelas nádegas, puxando-o fortemente contra mim, assim ele ficou grudadinho em mim e pude sentir todo o seu tremor ao ejacular me batizando com seu néctar da vida e do prazer. Logo depois ele me disse assim, pensa que é só você que vai sentir este prazer?

Negativo. Eu também quero, e começou a me chupar gostosamente, quando estava bastante duro, ele deitou, de costas e levantou as pernas, me oferecendo sua gruta.

Me posicionei e fui introduzindo totalmente, como estava com grande tesão, não demorei a gozar. Fomos para o banheiro e tomamos uma gostosa ducha, isto acompanhado de uma boa esfregação, punheta e longos beijos.

Já estávamos preparados para ir para casa quando meu encarregado ligou dizendo que estava ameaçando uma grande nevasca, e, muito perigoso para dirigir, disse que eu teria que dormir na casa. Achei excelente. Com a neve caindo com vontade, acendemos a lareira, pegamos um bom vinho e…

Tesão de Natal

dezembro 10, 2005

clebiufortal@hotmail.com

Moro em Fortaleza e fui passar minhas últimas férias em Natal, onde moram minha tia com seu marido e meu primo Antônio. Sempre que possível vou a Natal, adoro aquela cidade. E o melhor é que sempre que chego por lá acabo por conhecer algum carinha legal. Dava altas escapadas, tinha que aproveitar já que aqui em Fortaleza é meio complicado ficar com alguém. Lá também ninguém da família da minha tia sabia de mim até então. Como conheço bem a cidade andava sozinho numa boa.

O Antônio é super gente fina, nos damos super bem. Eu sempre aproveitava o período que ele passava na faculdade para encontrar com os figuras que eu marcava antes pela net. Mas dessa vez foi diferente. Meu primo é um tesão só: 21 anos, branco, 1,80m, corpo sarado, olhos verdes e cabelos claros. Eu adoro homens altos, pois também não fico por baixo: branco, 1,83m, 75kg, olhos claros, cabelos castanhos e tenho 22 anos.

Nunca havia rolado nada entre nós. Sempre que vou a Natal durmo no quarto dele em um colchão ao lado de sua cama, só de cueca. Isso sempre foi normal, afinal ele também dorme só de cueca. O que eu adorava, pois podia me deliciar vendo aquele monumento em trajes tão íntimos.

Nessa última vez eu resolvi dormir pelado. Já de manhã acordo, mas continuo deitado, tenho mania de acordar e não levantar direto. Nisso vejo que meu primo acorda, passa por cima de mim e vai direto pro banheiro, deixando a porta aberta.

Como não sou bobo fiquei espiando enquanto ele mijava, ele tinha um pau bem grandinho e eu ficava imaginando aquilo duro. Quando ele terminou e veio voltando continuei fingindo que estava dormindo e fechei completamente os olhos. Nisso ele chega perto de mim e puxa meu lençol, ele tinha o costume de fazer isso de vez em quando, mas ao me ver pelado ele ficou surpreso.

Ele disse:
– Cara você tá nu!

Respondi, fingindo está desorientado de sono:

– Não. Que isso! Impressão sua. É que meu pijama é da época de Adão, conhece? O figura lá feito de barro e toda aquela história de imagem e semelhança. Devolve esse lençol e me deixa dormi pow!”

Ele ficou rindo e falou:

– Pijama de Adão eu num sei, mas que essa bunda tá mais pra Eva. Há isso tá!

Só fiz o dedo pra ele e continuei deitado de bruços. Nisso ele vem e se deita por cima de mim já de pinto duro, mas ainda de cueca. Começa a me encoxar e fala no meu ouvido:

– Eu vi você me espionando no banheiro. Sei também que não é a primeira vez, o negócio que eu não sabia era que você tinha um rabo tão lindo. Me deixou acesão como você pode ver. Deixa eu te fuder vai priminho.

– Não velho. Eu tenho medo. Deve doer muito. Não quero não. Falo isso sem fazer o mínimo esforço para tirá-lo de cima de mim.

Ele começa a lamber minha orelha e eu começo a rebolar minha bunda no pau dele. Ele vai descendo lambendo meu pescoço, coluna até chegar na minha bunda.

– Lisinha do jeito que eu gosto. Cai de cara com tudo no meu reguinho e me faz um cunete que me leva às alturas. Eu só fico rebolando e gemendo. Adoro receber cunete.

– Vai priminho rebola essa bunda gostava, vou fuder ela todinha, você vai gostar tanto que vai pedir bis.

Nisso ele volta a me encoxar já sem cueca e eu noto o tamanho da maravilha que ele possuía.

– Vai priminho deixa eu te fuder vai. Você vai gostar.

– Num sei. Pelo o que estou percebendo você de priminho num tem nada é mô primão.

– Hum… Tá gostando né safado de ser encoxado pelo primão. Quero ver você mamando ela todinha.

Eu me viro de frente pra ele e começamos um beijo super ardente, roçando nossos cacetes e percorrendo o corpo um do outro com nossas mãos. Ficamos mo tempão nesse amasso. Nisso ele pega o travesseiro da cama dele e coloca em baixo da minha cabeça, como eu já estava com o meu fico com a cabeça meio alta. Ele vem e fica de joelhos na minha frente. Os travesseiros me fazem ficar com a cabeça posicionada bem de frente pro pinto dele. Ele fica se punhetando e batendo na minha cara com aquele monumento. Só aí finalmente eu vejo o tamanho daquele pau. Ele já tava todo babado e passo a língua só na cabecinha para limpá-lo.

Meu primo da um gemido gostoso e eu digo:
– Hum… Primão babão. E continuo lambendo a cabeça.

– Vai meu… Coloca todo na boca. Você tá me deixando louco.

– Se eu colocar ele todo na boca morro engasgado. Heheheheh.

Ele fica rindo também e diz:

– Você gosta de maltratar né safado? Minha hora vai chegar.Nisso ele fica batendo com o pau na minha cara.

Pergunto quantos cm ele tem e ele responde que tem 21 e solta uma: – Vai ficar de conversinha o dia todo é galado? Abocanha essa porra logo!

Começo a chupar o pau dele e que visão: aquele homem gostosíssimo ajoelhado na minha frente me dando de mamar e minhas mãos percorrendo aquelas coxas, bunda, costas, barriguinha tanquinho e ele babando muito na minha boca. Adoro pica babona. Eu não conseguia engolir ele todo, mas fazia o possível.

Ele saiu de cima de mim e me pediu para pegar camisinha e gel numa gaveta. Enquanto eu pegava ele se deitou onde eu estava. Quando volto ele fala:

– Senta aqui na minha cara. Quero chupar um pouquinho mais essa bunda gostosa.

Sento na cara dele e ficamos num 69 bem gostoso. Enquanto ele me chupava, eu chupava o pau dele. Nisso caímos pro lado e ele começa a chupar meu pau e a me dedar. Eu só de sacanagem começo a fazer um fio terra nele também. Como ele num ligou foi só alegria. Ele começa a passa gel em mim e eu coloco a camisinha nele.

Meu primão volta a ficar deitado na posição anterior e eu passo um pouco de gel no pau dele também e começo a sentar bem devagar. Ele começa a gemer e eu vou sentando aos poucos, rebolando e mordendo o pau dele com meu anus. Ele vai a loucura. Abre meu cú e enfia com força. Nossa, eu vejo estrelinhas, mas com o tempo acabo me acostumando e começo a cavalgar no primão.

– Tá gostando né putinha? Eu sabia que você gostava de uma rola.

– Vai primão me fode gostoso.

Ele dava cada tapa na minha bunda que eu adorava. Daí ele pede pra mudar de posição. Fico de frango assado e ele vem por cima. Ele fica metendo e me beijando ao mesmo tempo, depois fica olhando o pau dele entrar na minha bunda e fica me olhando com um sorriso safado. Passando a mão nas minhas coxas, me punhetando, passa a língua no meu pé, chupava meu dedão.

– Putz! Você é muito bom.

Ele fala que vai gozar e eu peço para chupá-lo, ele vêm e goza na minha boca, eu nem tenho o costume de fazer isso, mas como ele é da família. Depois ficamos nos beijando com gostinho de porra na boca ainda. Ele vê que eu ainda não gozei e começa a chupar meu pau. Ver meu primão com a cabeça entre minhas pernas me deixa louco e acabo gozando na boca dele.

Depois ficamos um tempão abraçados nos beijando e trocando carícias. Ele me contou que tinha me visto espiando, ele desde da ultima vez que eu tinha ido lá. E disse pra ele mesmo que dessa vez eu não passava, mas não esperava que seria no primeiro dia, o fato de estar dormindo nu deixou tudo mais fácil. Contei pra ele que sempre achei ele um tesão, mas não sabia que ele curtia. Falei também de como aproveitava o tempo dele fora da facul. Ele ficou rindo e quis conhecer algum carinha que eu já tivesse ficado. Acabou que ainda rolou umas 2 vezes à três. Tirei até o cabaço do cuzinho do meu primão. Essa férias foi a melhor de todas e não vejo a hora de chegar dezembro e estar de férias novamente.

Negociando Com o Patrão

dezembro 9, 2005

Estava super feliz com meu primeiro emprego, eu era Office Boy. Tinha sido um pareo muito difícil, tinha muitos garotos da minha idade disputando a vaga, no final sobrou eu e mais três. O patrão me explicou que o melhor ficaria e poderia até ser promovido e com isso ganharia um pouco mais. Disse também que se dependesse dele eu seria o escolhido. Agradeci e disse que faria tudo que você possível para cumprir com o meu dever. Marcos meu patrão disse que se eu quisesse ele poderia me preparar melhor para o cargo, desde que eu guardasse o segredo, disse que sim, guardaria e fui trabalhar…Sexta Feira era quase 18 horas quando o Dr. Marcos me chamou para conversar no seu escritório, disse que iria viajar com a família e se eu poderia dormir na sua casa até Segunda Feira, eu claro disse que sim, sem problemas. O Marcos então ficou de me pegar em casa e levar para a sua as 20:00 horas e que depois sequiria para Brasília para se encontrar com a mulher e as filhas. Na hora marcada lá estava o meu chefe buzinando na porta da minha casa, confesso que me senti meio puta, más tirei o pensamento da cabeça e lá fui eu…Chegando em sua casa, me mostrou como funcionava tudo, mostrou o quarto de hóspedes que era pra min ficar, tinha até TV no quarto pra min, putz! Seu Marcos então me deu uma caixa de filmes que tava em cima do quarda roupa e disse: Divirta-se más não exagera, quero você inteiro no trampo Segunda Feira. Fiquei por entender o que significava aquelas palavras, más tudo bem. Me levou até a cozinha e disse que eu poderia comer a vontade e mostrou onde ficava tudo, deixou telefones para caso de emergência e foi embora. Dei uma boa andada pela casa, para reconhecer melhor o ambiente, conferi se tava tudo bem fechado, fiz um sanduba, pequei um refri e fui pro quarto assisti os filmes da caixa. Caralhos!! Eu não tava acreditando, tinha filme pornô pra caramba, agora sim eu entendi o que o Dr. Marcos quis dizer com: Inteiro na Segunda. Fiquei super exitado, nem quis comer o sanduiche, liguei a tv, escolhi o melhor e comecei a assistir. Não resisti tirei toda minha roupa e bati uma punheta bem gostosa assistindo o filme, gozei pra caralho!! Depois comi o lanche com fome de leão, troquei o filme e novamente meu pau tava duraço. Cara nem sei explicar, me deu uma neura eu fui ao banheiro e achei uma cueca usada do meu patrão, cheirei e constatei que ela estava suja, pois tinha um cheiro de macho delicioso. Voltei para o quarto com a cueca nas mãos, cheirei, beijei, esfreguei ela no meu corpo, no meu pau e bati uma punheta muito louca pensando no meu patrão. Foi uma punheta tão gostosa que assim que terminei, me limpei com a cueca e adormeci.
Segunda Feira eu estava só a capa da Batman, o chicote da Tiazinha. Fui trabalhar e no final do expediente Seu Marcos me chamou na sala dele. Agradeceu pela ajuda me deus 100 paus e um presentinho que havia comprado pra min, uma carteira linda de couro legítimo, pediu pra min ser discreto e não mostrar pra ninquém, senão iam pensar que eu era a putinha do patrão. Concordei. Dos dias depois ele me chama de novo na sala, fecha a porta e joga uma cueca em cima da mesa. Gelei. Quero que você me explique isso. Está cueca tá cheia de porra e essa porra não é minha. Eu tremia…Abaixei a cabeça e contei tudo que havia feito. Na minha cabeça eu já imaginava meus colegas de trabalho dizendo: Foi mandado embora por cheirar a cueca do patrão! Seu Marcos me olhava fundo nos olhos com o rosto duro. No final ele disse: Cara você é corajoso pra caramba, me contou toda a verdade, correndo o perigo de ser mandado embora. Parabéns!! Agora sei que você é de confiança. Vou ser sincero com você também. Você pode não ter reparado, más tudo que você fez naquele quarto foi filmado. Sim eu filmei tudo, e adorei ver você em ação, e pode ter certeza, você tem muito futuro aqui nesta empresa. Me espera no final do expediente duas quadras abaixo daqui, perto do shoping, que hoje você não só vai cheirar minha cueca, como vai mamar meu pau e vai dar seu cúzinho pro patrão. Você aceita?!
Balancei a cabeça afirmativamente, arrumeu meu pau duraço na calça e fui trabalhar tircendo pro dia passar logo. Logo eu vou estar aqui contando como foi a minha hora extra com o patrão. Olha não se esqueça de passar pelo meu blog tá? http://www.dubabado.blogspot.com

Minha Vizinha Vai Me Matar

dezembro 9, 2005

Sempre fui muito comportado, e apesar de não ser visto com mulheres, sempre mantenho a linha de machão no bairro onde vivo. Sempre muito reservado, nunca fui a festas em casa de vizinhos, más sempre fui gentil e atencioso com todos. Num belo dia fiquei sabendo que minha vizinha Joanna havia se separado de seu marido e já estava com um outro, tem gente que nasceu com o cú pra lua mesmo, o marido dela era um luxo, e ela havia chutado o coitado. E eu aqui sem nada, na seca mesmo. Minha mãe super popular se encantou com o novo marido da minha vizinha, disse que ele além de lindo era também muito educado. Para encurtar a história, fui apresentado a ele, e gente, pasmem!! Minha mãe tinha poupado elógios, o cara era demais! Uma cara de homem insaciável na cama. Fiquei até meio bobo de tanta emoção. Na primeira festa que o casal fez para comemorar a união, minha mãe foi convocada, ela até me disse que eu também havia sido convidado, más fiz pouco caso e não fui, preferi ficar em casa sozinho
na net atualizado meu blog (www.dubabado.blogspot.com). Lá pelas dez da noite, batem no portão, vesti roupa rapidinho (fico sempre pelado na frente do computador) e fui atender, e não é de ver que era o bofe da vizinha que estava no portão? Tinha um cheiro forte de cerveja e um sorriso de anjo/diabo nos olhos. Perguntou Porque eu não quis ir a festa, eu então falei da net, ele pediu pra entrar, e eu meio sem graça abri o portão mais um pouco para que ele pudesse entrar, mesmo com toda distância, ele fez questão de esbarrar seu corpo no meu. Pensei: Tá bebâdo feito uma cabaça! Fomos para o meu quarto, mostrei o computador, falei pra ele sentar e peguei uma outra cadeira pra min. Fomos num monte de sites e ele perguntou se eu conhecia algum site de putaria, respondi que sim, e que melhor ainda eu tinha no computador um filminho de sexo. Ele logo pediu pra ver…
Excitadíssimo com o filme, ele começou a passar a mão no pau, sem querer eu olhei, e levei o maior susto, como o cara era bem servido. Ao levantar os olhos novamente para o computador, o Marcelo me observava e riu de forma safada e disse: Vai me dizer que o seu não é tão grande como o meu. Fiquei meio sem graça, e tentei desconversar.
Ele insistiu. É ou não é?! Mais ou menos. Respondi. Deixa eu ver…Tirei meu pau pra fora, ele tava muito duro e babava feito louco. Meu vizinho passou a mão na baba do meu pau e disse: Deve ser doce como seus olhos, e levou os dedos á boca, chupando tudo. Fiquei perplexo. E antes de ter qualquer reação ele estava agachado entre minhas pernas e me chupava feito louco, tentei me controlar, más era impossível…Meu pau parecia estar num liquidificador. Comecei a acariciar seus cabelos e não aquentando mais, puxei ele para cima e tasquei um beijo naquela boca louca. Imediatamente estávamos pelados em cima
da minha cama brincando de espada, fizemos um 69 maravilhoso e gozamos ao mesmo tempo na boca um do outro. Não sobrou uma gota se quer para os lençóis. Depois de um tempinho ele se levantou, vestiu a roupa e disse: Tenho que ir senão alguém pode desconfiar. Não conta pra ninguém que estive aqui, pois disse pra Joanna que ia ligar pra minha irmã de um orelhão. Eu quero te ver de novo, más num lugar mais tranqüilo, não pense você que a gente vai ficar só na chupadinha não. Quero muito mais. Me beijou na boca e lá se foi ele pra festa. Dois dias depois nos encontramos num lugar mais “tranqüilo”. Más está história eu conto depois. Agora tenho que ir.

Presente de aniversário

dezembro 2, 2005

sou.do.rj.quero.somente.sexo@gmail.com

Tudo começou no dia do meu aniversário de 18 para 19 anos, quando eu e alguns colegas tínhamos saído para comprar algumas coisas para beber e comer e assim comemorar a data. Estávamos rindo à toa no supermercado, quando me deparei com um homem lindo, maravilhoso.

Ele deveria ter seus 28 anos, um corpo que parecia ser esculpido a mão. Cabelos castanhos claros, olhos castanhos, uma boca carnuda, pernas grosas totalmente lisas. Ele estava de short e camiseta, com cabelos molhados, como se estivesse acabado de sair da academia.

Fiquei extasiado com aquele homem, daí então não parei mais de olhar para ele. Meus amigos não perceberam nada. Foi quando ele percebeu que tanto o olhava e me encarou, passamos perto um do outro, foi quando ele me deu um tímido boa noite, eu fiquei sem saber o que responder, o que parecia era que ele me conhecia de algum lugar.

Depois de terminado as compras, por coincidência, saímos juntos do supermercado. Ele na frente de bicicleta, e eu e meus amigos logo atrás. Eu já não estava como antes, estava mais sério diante daquela obra de arte. Fiquei com medo de meus amigos perceberem e por isso não falei com ele. Fiquei com medo de ele ir embora e nunca mais nos vermos.

Meus amigos continuaram andando e viraram a esquina e ele continuou na mesma rua, foi quando me desviei dos meus amigos e o segui. Muito mais à frente ele parou e nos apresentamos. João era o nome dele.
Ele era melhor do que eu imaginava ser. A vontade que tinha naquele momento era de o agarra e beijar aquela boca, mas não podia, estava na rua.

Ele queria me dar o telefone dele, mas estava sem nada para anotar, expliquei a situação do meu aniversário e até o convidei, mas não estava interessado. Ele falou seu número e eu o decorei na cabeça. Nos despedimos e eu fui para casa correndo anotar o número.
Na volta meus amigos estavam preocupados com meu sumiço, mas tudo bem.

Já não conseguia mais o tirar da cabeça. Muito mais tarde, no mesmo dia, após ter zoado bastante, resolvi descer e ligar para ele da rua, já que em casa iria chamar muita atenção.

Liguei e quem atendeu foi o mesmo, aquela voz grossa me deixava imaginar o que poderia acontecer. Me identifiquei e ele ficou surpreso com a rapidez que tinha ligado. Mal sabia ele dos meus desejos.

Conversamos por alguns minutos e já falávamos sobre nossas fantasias. Ele me perguntou se queria dar o cuzinho para ele

– Você quer vir aqui me dar o cu, estou sozinho?

Aquilo naquele instante me deixou louco, meu pau já não agüentava mais de dentro da calça. Timidamente fui respondendo suas perguntas. Ele perguntou se eu iria agüentar, se eu ia querer tudo dentro de mim, dizia que iria comer como ninguém havia comido antes, que iria me foder até eu não agüentar mais. Aquelas palavras me deixaram muito tímido, mas também muito excitado.

Marcamos no outro dia no mesmo horário, anotei o endereço e esperei o grande dia chegar. Chegando o dia e o horário, fui até o local marcado, era o apartamento dele. Bati na porta e ele me atendeu, vestido apenas com uma cueca branca, exibindo aquele corpo escultural. Me convidou para entrar, sentei no sofá da sala enquanto ele estava no chão assistindo a um show. Disse que era para eu ficar a vontade.

Minha timidez era muito grande, não sabia para onde olhar. De vez em quando eu o via passando a mão no pau como se estivesse me convidando para cair de boca. Não demorou muito, ele me pediu que sentasse do seu lado.

Em fração de segundo ele pegou em minha cabeça e me forçou um beijo que não esperava. Naquele envolvente beijo ele pegou em minha mão e a guiou para sua rola, que naquele instante estava dura e já saindo por sua cueca.

João tirou minha camisa e nem esperou muito, forçou minha cabeça contra sua pica. Quando vi aquele pau em minha frente, grosso, deveria medir seus 18 cm, comecei a chupar lentamente, mas parecia que não o satisfazia, ele queria mais, queria mais rápido.

João começava a gemer, me pedindo para não parar. Chupava sua rola num movimento frenético, lambendo da cabeça até o saco. Passava minha língua em suas pernas deixá-lo louco, mas ele queria mais, muito mais.

João me puxou e me beijou novamente, parecendo que nunca tinha feito tal cena. Pediu-me que tirasse a calça. Obedeci e continuei a beijá-lo. Me beijando, ele levou sua mão até minha bunda e puxou minha cueca. Passando o dedo em meu cu que já não estava mais agüentando e implorando por sua pica.

Ele me virou e me lambia do pescoço e descia lentamente por minhas costas, me arrepiando completamente. Começou a morder minha bunda e beijando ao mesmo tempo, foi quando passou a língua em meu cu, ele me mordia, me apertava, me enfiava o dedo me fazendo submisso. Aquilo me levou aos céus, fique alucinado com sua língua me penetrando por completo.

João parou e virou-se para o outro lado pegando assim uma camisinha e um gel lubrificante. Parecia que tudo já estava combinado. Do jeito que estava (de bruços), fiquei.

Por um instante fiquei com medo de ele me machucar, pois seu pau era grande demais a meus olhos, mas o tesão era maior. Foi quando de repente senti João se aproximando por cima de mim. Sentir aquele homem em minhas costas foi demais. Senti seus peitos, suas pernas, e principalmente sua rola.

-V ai devagar. Pedi a ele.

Pediu-me para relaxar e veio passando o dedo como se estivesse procurando meu cu. Agarrei-me a um travesseiro e deixei rolar. Comecei sentir a pica de João forçando meu cu. Comecei a suar. Ele tentava e acabava saindo. Forçava de novo e novamente escapava. Essa rejeição aumentava mais os nossos desejos.

De a idéia de ir por cima dele e sem hesitar João aceitou a sugestão se virando e deitando, acomodando-se em um travesseiro. Enquanto se ajeitava, fiquei observando seu corpo. Uma bunda deliciosa com marca de sunga maravilhosa. Seus braços fortes, seu peito. Tudo somente para mim. Sua pica rígida, dura apontada para cima me convidava.

Fui devagar. Bem devagar e eu só escutava seu gemido. Com uma dificuldade tremenda comecei a sentir dores, como se estivesse me rasgando, era um uma dor que se misturava ao tesão. Comecei a gemer junto a ele. Quando senti toda a cabeça de seu pau dentro de meu cu ele inesperadamente forçou tudo. Senti uma dor muito forte, mas apesar da dor, queria mais. Ele meteu tudo de uma só vez (só de pensar hoje ainda fico de pau duro).

Pedi para ele esperar até eu me acostumar com tudo aquilo dentro de mim. Comecei a descer e subir lentamente, me acostumando com a pica de João dentro de mim. Subindo e descendo. Subindo e descendo aumentando a velocidade cada vez mais.

Fui até sua boca e o beijei, mordendo seus lábios, ele passando a mão em minha bunda, dando pequenas palmadas me deixando cada vez mais excitado, cada vez mais com vontade que ele me metesse mais. João era quem agia naquele momento, ele por baixo de mim, enfiava toda sua rola com prazer.

Perguntei se poderia mudar de posição sem tirar de dentro. Sem resposta ele agiu me botando de quatro e ele de joelho. Uma posição já conhecida. Começou a meter sem dó, eu gemia de prazer. Como eu estava de quatro, me levantei e fique de joelho junto com ele. Comecei a beijá-lo pegando em seus cabelos e ele me masturbando a medida de suas bombadas. Eu sentia seu corpo, sentia seu suor misturando-se ao meu, sentia sua rola invadindo meu cu.

Meu tesão era grande, aquela ato me fazia delirar. João depois de alguns minutos me levantou e fomos para a janela de seu apartamento. Ele morava no 12° andar. João me colocou apoiado na janela enquanto atrás de mim socava toda sua rola. Novamente ia ao delírio. Contorcia-me todo de tesão. Ver aquela paisagem sendo penetrado era uma fantasia curiosa.

João parecia nunca estar satisfeito. Pegava em minha cintura segurando com força e metendo com todo seu tesão. Eu já não sentia mais timidez, já estava envolvido com tudo aquilo que estava acontecendo comigo.

João me abraçou e sem tirar seu pau de dentro de mim, me levou para seu quarto, onde tinha um guarda-roupa enorme. Abriu uma das portas e lá tinha um espelho em que transparecia nossos corpos por completo. Apoio-me novamente e começou o vai-vem. Naquele momento quase gozei de tanto tesão, mas ele me pediu para esperar. Queria fazer muito mais. Naquele instante, meu corpo já não respondia mais por mim, e era eu que fazia os movimento enquanto ele falava loucuras aos meus ouvidos.

-Ta gostando?
-Quero te mostrar o que um homem de verdade faz!
-Quero gozar em todo seu corpo, quero te ver outras vezes quero te fazer minha putinha.

Suas palavras em meu ouvindo iam de me deixando louco. Ele me dizia que eu era só dele, e que só ele iria me comer, dizia que iria querer me comer sempre. Ele pegava em meus cabelos e me dava palmadas em minha bunda, pedindo para eu olhar no espelho e ver como um realmente se come um veado.

– Olha ali, se vê sendo penetrado, sendo comido. Dizia ele.

Tinha horas em que ele parava suas estocadas e ficava somente esfregando seus pentelhos em meu rabo. Eu ficava vendo aquela cena, vendo seu corpo queimado de sol somente com aquela marca de sunga se destacando. Me deixava pirado. Eu empinava minha bunda, o que facilitava. Voltamos para sala e ele sentou no sofá e me pediu que sentasse em cima dele de costas. Disse ele que queria ver sua pica entrando e saindo de moeu cu. Eu obedeci novamente. Já não agüentava mais, queria loucamente gozar, mas João parecia insatisfeito. Ele beijava minhas costas, beijava minha orelha, falava loucuras ao meu ouvido. Dizia que queria me comer com outros caras, dizia que queria me ver dando para outros caras, amigos dele.

Nos beijando, voltamos para sala, onde ele por trás de mim me beijava e roçava sua pica no meu cu. Passava sua língua em todo o meu corpo.
Colocou-me novamente de quatro e enfiou novamente sua pica em meu cu. Só que agora ele estava mais eufórico. Metia sem dó, gemíamos de prazer. Ele roçava, metia, passava seu dedo em minha boca, me beijava, me dizia que eu era só dele.

Começou a me meter com mais velocidade, eu sentia sua pica entrando e saindo do meu cu, queria mais. Ele pegava em minha cintura e forçava minha bunda contra sua rola, que entrava com dificuldade cada vez que saia, o que nos transmitia mais prazer. Senti a cabeça do seu pau entrando em meu cu era maravilhoso.

João me deitou novamente de bruços e me fez abrir as pernas. Ele apoiou-se com as duas mãos no chão e deixou que sua rola entrasse em meu cu sem esforço. Me penetrava e gemia de prazer. Urrava como um cão no cio. Metia cada vem mais intenso, cada vez mais forte.
Deitou sobre mim, e fazia os movimentos somente com a cintura. Eu sentia todo seu corpo definido sobre mim. Aquela rola grossa me penetrando, aquele desenho de peitoral em minhas costas parecia ser um sonho e que não queria mais sair dali. João ao mesmo tempo em que se realizava me realizava também. Parecia que ele sabia tudo o que eu queria sem precisar pedir.

Sentir a pica de João invadindo me cu foi uma sensação incrível. O suor de nossos corpos se misturavam o que me fazia chamar ele de meu homem, de meu dono, de meu macho. Aquilo também o deixava mais excitado. Ele voltou a segurar minha cintura e eu ainda deitado, pôs um travesseiro por debaixo de mim e metia em meu cu dando palmadas e me chamando de fêmea. Deitou novamente sobre mim e disse que queria gozar sobre minha bunda.

João começou a morder minha orelha gemendo baixinho e metendo com toda sua força, e eu imobilizado sem poder me mover só sentindo e gemendo. Foi quando ele soltou um urro grandioso dizendo que ia gozar. Era o que faltava para concretizar. Me liberei e comecei o chamar novamente, pedia a ele que gozasse em mim, que eu queria sentir sua porra escorrendo sobre minhas costas.

Ele então tirou rapidamente sua pica e jorrou em minhas costas. Não parava mais, gozava e enviava o dedo em meu cu, espalhando toda a porra em minhas costas, eu me contorcia todo e ele apertava minha bunda perguntando se tinha gostado de sentir um macho dentro de mim. Sua pica não baixava.

Virei de frente e comecei a esfregar o que sobrou de porra de seu pau em meu peito. E ele então resolveu morder meus mamilos. Me levou a loucura novamente, pois é um lance que adoro. Com uma mão ele me masturbava enquanto mordia meu peito. Peguei na sua pica que já ficava mole. E voltei a masturbá-lo. Daí ele me deitou e começou a me lamber novamente. Eu comecei a bater uma punheta quando anunciei que iria gozar. Ele puxou meu cabelo e começou a me beijar fortemente, parecendo que ia me engolir. Me beijava e me chamava de putinha.

– Goza minha puta. Goza pro teu macho ver.

Tudo isso só me ajudava, quando veio o gozo. Gozei muito. Ele alisava meu corpo com minha porra me melando todo.

Depois de tudo caímos deitado um do lado do outro e ficamos ali por um longo tempo. Nesse instante, consegui espiar mais detalhadamente seu corpo. Seu pentelho bem aparadinho, sua rola grosa mesmo estando mole, sua boca carnuda, seu peitoral.

Meu pau novamente começou a dar sina de vida. Quando então ele levantou-se me beijou e foi ao banheiro pegar uma toalha. Entramos juntos no banheiro, tomamos um bom banho, claro que eu fiz questão de verificar se ele estava realmente limpo.

Nos vestimos, conversamos um pouco, trocamos o telefone e eu fui embora. Hoje ainda tenho seu telefone, e já fui ao seu encontro outras vezes. Teve uma vez que até levei um amigo meu para o conhecer, e novamente rolou a três. Foi muito bom ver meu amigo sendo penetrado sem dó por João e me chupando ao mesmo tempo (mais é uma outra história depois eu conto). Relembrando isso me dar novamente vontade de o procurá-lo.

É isso galera. Essa foi uma história real. Quero dizer que quem quiser conhecer mais de mim, basta me escrever, estarei disposto a todos. Quem sabe algo do tipo rola. Sou discreto, hoje tenho 21 anos.

1º vez pela net

dezembro 2, 2005

402005@bol.com.br
Sou de Vassouras, interior do Rio de Janeiro e numa destas noites resolvi entrar no bate papo do Uol.

Sou casado, tenho 38 anos, mas já tive uma única experiência com outro cara. Pois bem, sempre entrava no bate papo mas nunca acontecia algo interessante, até que mês passado conheci um cara também casado da cidade Volta Redonda. Logo pintou um clima diferente, pois tudo que eu dizia batia com o que ele pensava também.

Ficamos nestes papos muitos dias até que resolvemos tentar uma real.
Marcamos na minha cidade mesmo e quando conheci o cara realmente fiquei balançado, pois ele tinha 41 anos, mas super inteiro.

Fomos para um motel perto da cidade, chegando lá já fui logo beijando sua boca deliciosa, ele arrancou minha camisa, eu a dele, depois ficamos totalmente nu.

Pedi a ele então que fossemos tomar um banho, só que eu fui na frente e pedi a ele pra entrar 2 minutos depois.

Quando eu já estava no chuveiro ele abre a porta eu finjo que não vejo e me abaixo um pouco deixando a mostra tudo o que ele queria ver.

Ele veio por trás já de pau duríssimo, me abraçou e começou a me beijar e roçar em mim. Ele tinha um pau de 19 cm, fiquei com medo de não agüentar pois como disse era praticamente virgem.

Mas com muito carinho tudo rolou a mil maravilha, dali fomos pra cama, ele fez muito carinho, muito beijo na boca (que eu adoro) chupou meus mamilos e quando passou a língua no meu buraquinho. Não aguentei e supliquei que ele me comesse.

Ele foi muito carinhoso, meteu bem devagar, mas depois de tudo dentro só rolou prazer total. Me comeu de frango, de lado em pé e de bruços (que eu também adoro). Ficamos umas 4 horas no motel e trepamos muito.

Foi uma experiência inesquecível e depois disso já tivemos mais uma vez, mas como descobri este outro lado meu, to afim de conhecer pessoas que se encaixei neste perfil, casado acima de 40 que goste de ser ativo e seja discreto.

Como sempre sonhei

dezembro 2, 2005

Tenho 50 anos, sou casado, mas sempre tive vontade de transar com outro homem. Há algum tempo comprei um sítio na região serrana do Rio e fui cuidar da mudança. Arranjei um caminhão no local do sítio e tratei para viessem buscar os móveis no Rio. Fui junto como caminhão, na boleia.

Chegando no sítio, com um calor muito grande, eu, o motorista e seu ajudante, começamos a descarregar a mudança. Obviamente que ao terminarmos o trabalho estávamos encharcados de suor. Foi então que sugeri que tomássemos um banho na cachoeira alí perto. Eles toparam e fomos para lá.

Como não tinha ninguém por perto, tiramos a roupa para nos molharmos. Confesso que naquela hora eu não estava pensando em sexo. Passado algum tempo, percebi os dois falando baixinho. Como já estava escurecendo não havia a possibilidade de ninguém aparecer. O motorista veio então para mim e disse que gostaria de me comer. Fiquei com medo e disse que não gostava disto.

Ele então falou que o azar era meu, pois então seria a força. Nisso chega o ajudante e prende meus braços. Tentei me livrar, mas ele era muito mais forte do que eu. Me jogou no chão e sentou no meu peito.

O motorista então colocou seu pau enorme na minha boca. Adorei e mamei tudo. Depois fui colocado de 4 e enquanto um deles me dava a pica para mamar, e outro me comia, depois de colocar uma camisinha. Depois eles trocaram de posição e fui comido novamente. Adorei. Levei 2 picas no cu virgem e mamei 2 picas.

Como é bom receber uma gozada na boca e ser obrigado a engolir tudo. Pedi a eles que não comentassem com ninguém o ocorrido. Eles prometeram, mas não cumpriram. Depois disto já fui comido várias vezes, e sempre por onde passo as pessoas comentam baixinho “lá vai o viado”. Hoje em dia adoro dar. Preferencialmente se for a força.

O Empréstimo

dezembro 2, 2005

hydrozoa@ibest.com.br

Pedi um empréstimo a um amigo meu, mas disse que dentro de um mês pagaria. O problema foi que o tempo foi passando, o mês ia se esgotando, e nada de eu conseguir arranjar o dinheiro para pagá-lo.

No dia do vencimento, ele aparece em minha casa e eu sem saber como pedir a ele pelo menos mais 15 dias. Ele diz que sabia que estava com alguns problemas financeiros e que podia esperar mais um mês, contanto que nós transássemos.

Ele foi direto ao ponto, me pegando totalmente de surpresa, pois nunca desconfiei de nada. No início ri, pensando que era uma brincadeira, até que ele olhou fundo nos meus olhos, me deixando todo sem graça, e me beijou de língua. Ainda surpreso com aquilo tudo, ele bota as mãos para dentro da minha cueca e começa a apertar minha bunda. Diz que se eu souber fazer direitinho, até é capaz de perdoar minha dívida.

Ao dizer isso, já mais solto, nem penso duas vezes, boto na hora para fora seu pau, que tinha um cheiro estonteante, então abocanho aquilo tudo. Quanto mais eu chupava mais puxava minha cabeça para seu pau, de modo que eu não tinha como sair dali. Então ele me tira daquela posição e diz que metade da dívida já estava perdoada, a outra metade seria dependendo de como eu me portasse na cama. Diz isso e já vai em direção ao quarto, e eu atrás.

Ele senta na cama, eu no colo dele e a gente começa a se beijar, até que nós deitamos continuando a nos beijar, então ele começa a forçar com o dedo a entradinha, e diz que quer me possuir por completo. Tiro o resto da minha roupa, ele me levanta, me mandando apoiar na cabeceira da cama, obedeço e ele começa a roçar seu pau no meu cu, e dentro de poucos minutos começa a me invadir.

Ele tinha uma vara meio grande, por isso doía muito, mas ele nem queria saber, nem eu. Foi custoso, mas enfim a cabeça passou, e então ele meteu até os pentelhos. Quando estava começando a me acostumar com tudo aquilo dentro de mim, ele começa a bombar, primeiro devagar, depois acelerando muito. Como meu cu latejava! Depois de muito vai-e-vem, senti seu pau crescer ainda mais dentro de mim, indicando gozo próximo, até que gozou. Ficou ainda um tempo dentro de mim, até que tirou. Nem percebi que eu já tinha gozado. Como ele estava suado! Não imaginava como ele era ótimo de transa.

Ficamos deitados por um tempo ainda nos beijando. Quando pôs sua roupa e já se preparava para ir embora, disse que eu podia esquecer toda dívida, pois ela estava perdoada. Nunca imaginei que seria tão fácil pagar uma dívida! Me disse que sempre que eu quisesse um empréstimo, podia contar com ele. A quem vocês acham que recorria sempre que precisava de um empréstimo e como pagava essa dívida?