Apostando Alto

Orlando é um daqueles caras que só pensa em enfiar seu pau no primeiro buraco que aparecer. Para Orlando se alguém liberar o cuzinho, melhor ainda.Ele está muito se lixando se é mulher, homem, animal ou objeto que libera a rosca… O que ele quer saber é de meter até gozar…Ele é advogado, mas ainda sonha em ser juiz, para ver todo mundo entrando na sua vara.Há alguns dias, Orlando estava puto da vida porque o cara que estava treinando para ser seu estagiário, o Felipe, tinha ido até o Fórum no centro, mas, por causa do trânsito não conseguira voltar a tempo com o processo que Orlando queria trabalhar naquele dia.Já fazia tempo que Orlando tava meio irritado com o Felipe.O rapazinho, que ainda estava cursando a faculdade de direito, era cheio de querer fazer as coisas da maneira mais correta possível, o que de certa forma incomodava um pouco Orlando, que era macaco velho, e aprontava das suas. Macaco velho, mas bonitão e conservado… bem conservado.O atraso de Felipe naquele dia, serviria para Orlando tirar outro atraso, o seu.Já fazia uma semana que por causa daquele processo, Orlando não dava umas voltas pela cidade a procura de um cuzinho disponível.E por causa daquele atraso, Orlando decidiu que o próximo cuzinho ia ser o de Felipe e ponto final.Assim que Felipe entrou, Orlando começou a por em prática seu plano.Disse que estava muito feliz com o desempenho de seu estagiário e que para comemorar iriam degustar uma bebida forte.Felipe se sentiu honrado mas quis recusar o convite, ainda teria aula no fim daquele dia, e não podia faltar, pois era semana de prova.Orlando resolveu atacar de um modo muito comum para quem conhece homens de sua estirpe:- Felipe, é só um gole, cara. Não acredito que você vai amolecer. Pensei que você fosse mais macho, mais durão. Não acredito que com um só gole, a moçoila ia cair bêbada no meio da prova…Felipe é do tipo que cai fácil neste golpe. Questionado sobre sua masculinidade, caiu na tentação de provar o contrário. Mal sabia ele, que era exatamente sua masculinidade que iria para o beleléu junto com aquela bebida…Depois do primeiro gole, veio outro, e depois outro, quanto mais Felipe recusava o próximo gole, mais Orlando mexia com seus brios:-Vai, cara, agora é o último. Já sei que você é macho. Mas se recusar, vou achar que é frouxo.Felipe já estava zureta. Orlando, o tempo todo, apenas fingia que bebia.Todo zonzo, Felipe disse que precisava ir.Orlando fingia que ajudava Felipe a se levantar, mas neste exato momento, tirou a carteira de Felipe e a colocou em seu próprio bolso.Muito bêbado para compreender, Felipe procurou pela carteira para retirar dinheiro para a passagem até a faculdade.-Pô, Orlando… acho que perdi minha carteira.Astuciosamente, Orlando falou:- Hummmm… Acho que você esqueceu sua carteira no Fórum, quando foi mostrar sua identidade. Um escriturário me falou que você tinha esquecido algo lá…- E agora cara, como vou para a faculdade? Será que você me emprestaria esta grana até amanhã ?- Emprestar eu não posso. Posso te dar este dinheiro. Mas só que tem uma condição…- Qual?- Você faz uma aposta comigo, a gente joga uma partida de cartas, quem ganhar leva o dinheiro.- Mas cara, eu não tenho dinheiro para apostar…- No seu caso você vai ter que emprenhar suas roupas.- Tô fora, vou pedir para alguém na rua.- Você que sabe…- Ai, caralho, tá bom, vamos lá…Felipe aceitou porque estava bêbado demais para pensar corretamente, caía como um patinho no jogo de Orlando achando que assim sairia dali mais rápido.Mas mestre em impor seus golpes, quando queria um cuzinho de graça, Orlando ganhava partida atrás de partida, e Felipe cada vez com menos roupa.
Mas chegou num determinado momento que Orlando não se conteve, seu pau estava duro como pedra, desesperado para deflorar um rabo.- Meu, você é mole demais!!!Orlando interrompia a partida, puxando Felipe pela gravata. Deixando-o confuso.- Agora tu só sai daqui se me der este rabo.- O-Orlando, calma aí cara, é só um jogo, ô meu… E sou eu que tá perdendo. – Meu, eu tô falando sério, você já me tirou demais do sério hoje, eu tô a fim de comer um cu e vai o seu, rapazinho…O lance de tirar a roupa de Felipe através de uma aposta era só para que o rapaz não se defendesse tanto, e vestindo só cuecas era mais fácil forçar o sexo.- Meu, eu não curto isto não cara. Deixa eu ir embora… implorava Felipe, em vão. Além do mais, Orlando reparou que desde que começou a tirar a roupa, o pau do Felipe começou a endurecer.Orlando não tirou peça nenhuma de sua roupa, apenas abriu o zíper, desceu a cueca e deixou sua jeba faminta se expor à luz.- Vem, rapazinho, dá uma mamada nele.E puxou Felipe pelos cabelos.Felipe estava bêbado, mas começou a achar que era o único jeito… O cheiro de sexo que exalava do pinto do Orlando era muito vivo… O clima de tesão era tão grande que Felipe ficava cada vez mais excitado.Ele achava gostoso estar sendo obrigado a fazer sexo.Afinal de contas, o que ele poderia perder… além do cabaço?Ele colocou a boca no pinto de Orlando, com vontade de experimentar, chegou até a tirar seu próprio pau pra fora, mas sentiu uma certa aversão, estava excitado, mas não se imaginava chupando um pau…Tirou o pinto da boca e fez cara de nojo.Orlando irritou-se…- Ah, é seu puto? Rejeitando minha rola? Então você vai ver o que é bom… Aliás, vai sentir bem fundo o que é bom…Orlando virou Felipe contra a parede e abriu bem as nádegas dele.Felipe congelou, e disse:- Meu calma aí, não faz isso não…- E desde quando cú de bêbado tem dono, ô moleque?Orlando encheu a rola de cuspe, deu umas cuspidas na mão, e besuntou o rabo de Felipe. Felipe estava com medo, queria fugir, mas estava caindo de moleza, e para ajudar, aquela atitude do Orlando o deixava cada vez mais excitado… Seu pau começou a ficar em riste.Orlando começou a forçar o pau para dentro de Felipe, que tentava evitar a estocada fatal, deixando o cú bem apertado.- Relaxa moleque, se não entrar por bem, vai entrar por mal.Felipe não resistia com as mãos, num determinado momento até empinou as nádegas para facilitar o serviço de Orlando, mas estava com muito medo do que poderia sentir, já que a fama de levar um pau da primeira vez não é das melhores. Ainda mais um pau grosso como o do Orlando.Até que num golpe certeiro, Orlando conseguiu seu alvo, e de uma vez atolou seu membro dentro do pobre Felipe, que por instantes, tornou-se lúcido e acordou da bebedeira, tamanha a dor que sentiu…Orlando, em fúria, estocava seu pinto dentro de Felipe, numa velocidade frenética, desde o momento em que conseguiu penetrá-lo. Orlando queria gozar logo, até porque tinha receio de que Felipe quisesse desistir do coito.Mas, apesar da dor, Felipe sentia que tinha feito um negócio da China ao aceitar aquela aposta, pois sentir aquela Jeba cutucando seu rabo lhe fazia sentir um prazer estranho e diferente.Devido ao pau de Orlando ralar exatamente na próstata de Felipe, fez com que ele gozasse sem sequer tocar no pau, mesmo bêbado.E ao sentir as contrações do rabo de Felipe, que naturalmente já era extremamente apertado, Orlando explodiu de gozo, despejando todo seu leite dentro do estagiário.Orlando tirou o pinto melado de dentro do rapaz, e disse:- Espero que tenha aprendido uma lição, Felipe, e se aprontar de novo comigo, já sabe o que te espera.Felipe não tinha entendido direito o que tinha feito de errado, mas apesar de ter achado tudo muito esquisito, já que ele nunca tinha pensado em ser gay, achou que dar para o patrão era muito gostoso.
Orlando sabia que quem experimentava sua pica não largava mais, nem se preocupou se Felipe tinha ficado traumatizado ou não. Se iria denunciá-lo ou não. O que não falta neste mundo é cu, se não fosse o do Felipe seria o de outra pessoa, homem macho, homem afeminado, mulher, bicho, torta de maçã…Mas em menos de dois dias, Felipe fez questão de errar de novo.


%d blogueiros gostam disto: