Archive for fevereiro \27\UTC 2005

O Padrasto 2ª Parte

fevereiro 27, 2005

As duas semanas sequintes foram de muito tesão e paixão, meu padrasto fazia sexo comigo como se fosse um puro sangue, um verdadeiro reprodutor, e cheguei até a pedir pra ele ir mais de vagar, visto que meu cu já estava todo regaçado e em brasa com tanta rola que recebi. Muitas vezes eu o mamava sem dar-lhe chances de querer me penetrar, no final de uma sessão de chupadas eu expliguei que já não agüentava mais tomar no cu, ele ria e me dizia que a culpa era minha por ser tão gostoso, e que eu havia acendido o fogo e agora tinha que apagar direitinho, más já que a menininha dele não tava dando conta do recado, ele ia manerar comigo…Estavamos á caminho do aeroporto para buscar minha mãe, a verdadeira dona daquele macho, confesso que estava meio triste, más meu macho me garantiu que ia montar uma fazenda só para que nós pudéssemos trepar a vontade e sem correr riscos, tratei logo de me alegrar. Uma semana depois estava a caminho de nosso mais novo ninho de amor. Tudo para min era novidade, eu não sabia onde ficava e nem como era o local, estava num misto de curioso e fogoso. Meu susto foi grande, pois assim que chegamos na porteira havia uma placa enorme onde estava escrito: Fazenda Príncipe Mário o local era maravilhoso com jardins lindos e bem cuidados, um pomar cheio de frutas de minha preferência, meu padrasto havia pensado em tudo. Ele observava meu olhar entusiasmado, e chegava até a dar boas gargalhas de min, que feito uma cortesã deslumbrada dava pulos dentro do carro de felicidade. A casa principal era linda, de dois andares e toda rodeada de plantas, com uma área na parte de cima, com uma rede e algumas cadeiras tipo esprequiçadeiras. O quarto era todo amplo, com uma cama imensa, o teto do mesmo era todo espelhado…Sem perda de tempo fui até o microsystem que tinha ali dentro, escolhi um cd, mandei que ele sentasse na cama e comecei a dançar bem devagar e de forma sensual, sempre olhando para aqueles olhos verdes, que me comiam a cada movimento, comecei a tirar a roupa sempre dançando. Primeiro a camisa, depois sapatos, meias calça e finalmente a cueca, meu pau era lenha pura de tão duro, fui me aproximando do meu padrasto e comecei a esfregar meu pau na cara dele, más sempre tirando quando ele tentava me chupar, me abaixei e beijei sua boca puxando-lhe o cabelo, ele parecia um polvo de tanto que me bolinava, então eu o empurrei para que caísse deitado na cama, e trepei em cima dele e comecei a tirar-lhe a roupa, tudo sem pressa e com uma voracidade que muitas vezes eu via medo no brilho dos seus olhos, aquilo me acendia mais ainda. Mais uma vez beijei sua boca, fui para o pescoço, cheguei aos seus seios, seu murmúrio era quase um lamento de morte eminente do que propriamente de prazer. Cheguei ao seu pau que latejava eu o chupei com vontade segurando suas bolas na minha mão e muitas vezes apertando sem dó, mesmo com seu grito de dor, levantei sua pernas e me agasalhei no meio delas procurando com a língua seu ânus, ele então emplorou pra que eu não fizesse aquilo, más eu o ignorei e continuei, seu cu mordiscava minha língua e o som dos seus gemidos parecia as ondas do mar indo de encontro as rochas. Mandei que ele se virasse pra min, ele então obedeceu sem dar um pio, abri suas nádegas e enfiei novamente a língua fazendo com que o mesmo ficasse bem molhadinho, com uma das mão comecei a me punhetar espalhando bem a babinha que saia por toda extensão da cabeça do meu pau, pedi que ele arrebitasse bem a bunda, no que fui obedecido, aos poucos comecei a introduzir meu pau naquela grutinha, meu padrasto mordia o travesseiro feito louco chorando feito criança mimada, más em nenhum momento ele pediu pra que eu parasse, se bem não ia adiantar mesmo…Quando meu pau já estava completamente encapado pelo seu cú comecei a bombar forte e firme, como se toda minha vida dependesse daquilo. Foram quase dez minutos de vai e vem, de socadas, senti que ia gozar me deitei sobre seu corpo e comecei a morder sua orelha amedida que acelerava o galope, o gozo feio junto com um grito que foi acompanhando pelo grito dele, cheguei até a pensar que havia matado meu querido padrasto, más sua respiração era forte e alta. Desgraçado!! Gritou ele. Você regaçou o cu do papai e ainda me fez gozar junto com você. Nossa muleke que pau gostoso é esse? Apaixonei de novo…Vamos descançar um pouco que eu quero me vingar de você fazendo você gozar muito pelo cú assim como eu gozei…Hum! Tá curioso pra saber como foi que eu fui castigado pelo meu padrasto né? Te garanto que ele sabe punir um menino levado como eu. Aproveita e passa no meu blog pra gente se conhecer, quero ser o seu menino ou o seu papai. Logo estarei de volta pra contar o restante tchau!!(continua).

O Padrasto 1ª Parte

fevereiro 27, 2005

Me chamo Mário tenho 18 anos e recentemente conclui o serviço militar. Sou moreno1,78 de altura, acho que sou até legal pois meus amigos e algumas minas vivem meelogiando e dizendo que tenho uma bunda muito bonita e um corpão de tirar qualquerum do sério. Confesso que alguns amigos até já tentaram me pegar á força, más pra minesse lance de homem com homem não rola…Bem não rolava. Alquém mudou e muito meujeito de pensar, essa pessoa foi alquém bem próxima de min, foi meu padrasto…Nunca gostei muito dele não, seu nome é Abelardo. Sempre tive receios de ficar sozinhocom ele, talvéz pela cara de lobo mau que ele tem e porque se preocupa exageradamente comigo, chegando até a me proibir de sair de casa e impricando com meus amigos mais bonitos.Minha mãe teve que viajar para visitar uma irmão doente, e eu figuei sozinho em casa commeu padrasto. Eu sempre fazia de tudo para não cruzar em casa com ele, até que um dianão teve jeito. Ele estava em casa num horário em que deveria estar no trabalho…Eu o comprimenteie subi para o meu quarto, liguei o computador e fui navegar despreocupadamente, foi quando ele entrouno meu quarto e foi logo dizendo que agora que minha mãe não estava ali, estava na hora de resolvernossas diferenças, pois ele gostava demais de min e não dava pra aquentar mais minhas indiferenças eveio no meu rumo, desligou o computador, pegou no meu braço e me levantou da cadeira á força, o que vi nos seus olhos de um verde escuro e brilhante me deu medo, senti minhas pernas tremerem, tivemedo e pedi pra que ele me soltasse, minha voz chegou até a falhar…Ele riu e disse que eu não deveria ter tantomedo dele, pois ele gostava demais de mim pra tentar fazer algo que eu não gostassse. Elogiou meu perfume, cheiroumeu pescoço e me disse que eu nasci para ser tratado como um rei…Suas mãos deixaram de me apertar os braçose começou a alisar meus ombros, meus cabelos(tenho cabelo grande), passou a mão no meu peito e desabotoou minha camisa, foi aí que eu percebi o que poderia acontecer…Corri até a porta do quarto e tentei sair, más a porta estava trancada, senti sua respiraçãodébil e descompassada na minha nuca. Derepente ele mordeu minha orelha e seu soltei sem querer um gemido e mais uma vez tentei resistir.Agora aquele homem forte e maduro estava me mordendo as minhas costas, e se esfregando em mim…Senti seu pau duro feito pedra de encontroa minha pobre e indefesa bunda. Num golpe só ele tirou minha bermuda de surfista e junto minha cueca, ele então me virou de frente e viu que suas investidasestavam sendo correspondidas, meu pau estava duro pra caralho mesmo contra minha vontade. Ele então se abaixou e começou a sugar meu pinto com tantaforça e tesão que meu corpo todo tremeu e acabou ameaçando um desmaio, meu padrasto percebendo isso, me pegou nos braços e me levou para o quartodele e de minha mãe, disse ele que queria me comer no quarto do casal, pois é alí que eu deveria viver ao lado dele. Chegando lá o boquete continuou até que acabeigozando na boca dele, guloso meu padrasto engoliu tudo sem desperdiçar uma gota. Abelardo então levantou minhas pernas ao mesmo tempo que se livravade sua calça de moleton que mais parecia um circo armado, não resisti e esperei que ele fizesse comigo tudo que ele queria, pois o boquete que ele fez pra mim valiaa pena. Logo comecei a sentir a cabeça de sua rola forçar a entrada no meu cú virgem e úmido de desejo. Confesso que fui muito mole, chorei, pedi por favor que elepara ele parar…Más todo meu apelo foi em vão, a metade de seu enorme e grosso pau já estava todo dentro de mim, pedi pra que ele tivesse calma e ele disse quese eu prometesse que eu sempre transaria comigo ele seria muito carinhoso comigo, não tive remédio e prometi…Fui possuido mansa e gostosamente, recebi estacadas firmese carinhosas ao mesmo tempo. Eu já não gemia e sim urrava más de prazer e não de dor, meu padrasto amante me beijou como nenhuma garota jamais me beijou, mamou meus peitosmordeu minhas orelhas e disse que me amava loucamente, me perguntou se eu o amava, então me abri e disse que sempre o amei, por isso evitava sua companhia, pois não queria queele percebesse…Seus olhos eram de um verde louco e inebriante, derepente comecei a gritar que eu era dele…Senti seu pau dobrar de tamanho e derepente um mar de porra me invadiusenti que até minha alma foi lavada de leite quentinho, meu amante havia gozado dentro de mim como um leão demarcando seu terreno com xixi que no caso dele era só esperma. Tirou o pintode dentro de min, más continuou deitado em cima, sua respiração agora era mansa e tranquila, adormecemos…No dia sequinte eramos só alegria, más combinamos de sermos na frente dos outroso que sempre eramos, com a diferença que ele sempre ia me levar pra uma das sua fazendas para que fizessemos amor, ele continuaria casado com minha mãe, más me tendo como amante, eu sempreseria seu filho querido. Logo estarei de volta pra contar nossas transas na fazenda e de como meu padrasto sabia me fazer gozar como uma verdadeira puta no cio, aproveita pra dar uma passadinha no meu bloghttp://dubabado.blogspot.com lá além de coisas legais tem como entrar em contato comigo. Beijos e até a próxima.

Meu Melhor Amigo 2

fevereiro 27, 2005

Bem amigos estou de volta, desta vez pra continuar o que comecei quandonarrei a minha história aqui (ver conto Meu Melhor Amigo). Como jáhavia relatado antes, depois de fazer sexo oral com meu amigo, elesimplesmente passou a me ignorar até a hora que eu disse que queria muitomais…Duas semanas depois o Carlão continuava a me assediar querendo o “algo mais”dito por min, eu ainda meu assustado, continuava a fugir, mudando de assuntoe evitando ficar sozinho com ele. Só que o pior aconteceu(ou melhor) minhafamilia viajou me deixando sozinho e aí foi um prato cheio pra ele, quechegou em casa com um sorriso maravilhoso e já de barraca armada. Logo aoabrir a porta ganhei um beijo ardente e molhado que me deixou sem folego,como estavamos sozinhos o Carlão foi logo esfregando seu pau no meu, efalando coisas desconexas no meu ouvido, tentei resistir saindo daqueleabraço de urso…Más não adiantou realmente meu amigo estava decidido aterminar o que começamos. Deitei meu amigo na cama e me deitei em cima dele,chupando seu pescoço, orelha, peito, barriga e finalmente chegando no seucacete que estava tão duro que pareci feito de aço quente…Chupei bemdevagar, valorizando o contorno da cabeça, passei a lingua em todo o seucomprimento como se estivesse saboreando o picolé mais gostoso domundo…Fui até suas bolas e cologuei uma todinha dentro da boca e depoisfiz o mesmo com a outra. Meu amigo gemia tão alto que tive medo de sermosouvido na rua pelas pessoas que por acaso passasem pelo local. Abri maissuas pernas e passei a lingua no seu cú que piscou me convidando para umasessão de lingua mais detalhada, e foi o que eu fiz. Os pelinhos loiros doseu cú cederam ao avanço da minha lingua, meu amigo já estava urrando, entãoparei um pouco e pedi silêncio pois eu só estava começando…Carlão então começou a morder a própria mão para conter seus gemidos. Chega!!! Gritou meu amigo há mão aquentando de tanto tesão. Ele se levantou de uma forma tão selvagem que achei que iria apanhar dele naquele momento. Fica de quatro!! Obedeci. Ele então se ajoelhou sobre min e começou a esfregar seu cacete na portinha do meu cú. Estremeci. Tentei falar algo, más uma dor imensa invadiu meu anus se espalhando pelo meu corpo. Tranquei meu cú e tentei sair debaixo dele, más fui contido. Meu amigo então perguntou se eu era virgem, eu disse que sim, que ele seria o primeiro(menti. Na verdade era a minha terceira vez)pedi que ele fosse carinhoso, disse que seu pau era muito grande e grosso, o que era mesmo. Que se não fosse com carinho nada feito. Então o Carlão me ajeitou com calma embaixo dele, avançou um pouquinho, parou. Avançou outro pouquinho e tornou a parar. Pedi que ele fosse bombando assim eu ia relaxando. Hum…Que delicia. Ele gemia bem no pé da minha orelha e eu podia sentir seu hálito gostoso de macho no cio. Essa massagem durou uns 20 minutos, eu até cheguei a pensar que seu pau já estava todo dentro de min, quando senti seu pinto inchar e latejar dentro de min, percebi que ele ia gozar…Seus gemidos aumentaram. Então ele pegou na minha cintura e empurrou tudo pra dentro de min. Soltei um grito abafado, a cabeça girou e acabei desabando no chão com o corpo dele por cima. Desculpa acho que perdi o controle me disse o Carlão com voz cansada. Pedi que ele tirasse o pau de dentro de min o que fui obedecido. Me levantei ainda meio tonto e fui ao banheiro me lavar, meu cú estava em chamas, a porra do meu amigo escorria pelas minhas pernas numa mistura de semen e sangue. Putz!!! Até parecia que eu era virgem mesmo! Liguei o chuveiro deixei a água cair primeiro na cabeça tentando fugir da dor, depois separei as partes da minha bunda e me posicionei para receber a água. Soltei outro grito pois a água parecia composta de alcool e em contato com meu anús ardeu demais. Encostei-me na parede do banheiro e comecei a chorar baixinho, a dor era imensa. Carlão estranhando minha demora foi até o banheiro e me pegou chorando de dor(eu sinto sempre muitas dores no coito) entrou no banheiro, pediu desculpas pela violência, elogiou meu cúzinho dizendo que era gostoso demais e que dali em diante seria só dele, e começou a me lavar. Nosso namoro durou 2 anos. Um belo dia ele chegou em min e disse que aquela vida não era pra ele. Seis meses depois se casou novamente e em breve seria pai outra vez, eu sofri muito pois estava apaixonado, pensei em me matar e coisas do tipo. Para preencher o tempo comecei a estudar e entrei pra um grupo de teatro. Meu tempo era super escasso, trabalho, ensaio com o grupo e escola á noite. Um dia os ensaios do grupo de teatro começaria na mesma hora em que eu sairia do trabalho e como o local dos ensaios era um pouco longe do meu local de trabalho e não tenho carri tive que correr pra chegar a tempo(20 minutos atrasados) cheguei suado e cansado, foi quando notei que havia pessoas novas no grupo, imediatamente como se o tempo parasse eu vi, a coisa mais linda do mundo, sorrindo e conversando com todos como se fosse velho conhecido da turma…Gente aguarde!!! Em breve vou falar dele aqui no mix, seu apelido é “RAMBO” e que “RAMBO”!!!!

A República dos Prazeres

fevereiro 27, 2005

Bem amigos já éa terceira vez que narro minhas poucas aventuras sexuais aqui no, meu nome é João e
morei durante alguns anos em Araçatuba interior de São Paulo, também conhecida como a terra do boi gordo. Tenho 1,72 de altura
sou negro, 16 cm de rola, corpo bem definido na época com meus 78 kg hoje tenho 90 kg e 37 anos. Eu trabalhava em uma empresa que
Possuía vários turnos, manhã, tarde, noite e madrugada. Meu horário era á noite das 19:00 as 24:00, eu morava em uma república com
Trabalhadores de outros setores tinham professores, alunos, bancários enfim de tudo um pouco. Não vou mencionar o nome da firma nem
minha função dentro dela por motivos óbvios. Na época eu tinha 30 anos e era completamente virgem, nunca tinha transado com ninguém,
nem homem nem mulher, foi então que conheci o Rodrigo um jovem de 18 anos que trabalhava na mesma empresa que eu, só que no turno da tarde.
Como ele não se entendia muito bem com o pai e o padrasto foi morar na republica e coincidentemente no meu quarto. No principio achei
Péssima a idéia, pois não tínhamos nada em comum e a carência dele estava estampada na cara de menino chorão que ele tinha. Não era feio
tinha lábios carnudos, olhos grandes e pretos 1,66 de altura e na empresa corria o comentário de que ele era rendido ou seja tinha um pau enorme…
O tempo passou e por mais que eu fugisse ele acabou se apegando a min, um dia o coitado me perguntou porque eu não gostava dele…Fiquei sem graça e com
Dó e disse que a coisa não era bem assim…Eu era meio seção mesmo, era meu jeito de ser. Uma bela noite chego em casa depois do trabalho e o Rodrigo (vamos).
(Chamá-lo assim) estava de cueca e com uma garrafa de Bacardi gelada na mão e um copo, a garrafa ainda não havia sido aberta…Ele me olhou e disse:
Chegou o convidado de hora da “festinha”. Abriu a garrafa encheu o copo e me deu…Perguntei o que estávamos comemorando: Segredo só te conto depois(respondeu)
Bebi com gosto pois a bebida estava maravilhosa. Derepente algo me ocorreu…E você Rodrigo ?! Não vai beber ? Vou…(respondeu). Tira a roupa!!! O que ?!(perguntei)
Não pergunta tira a roupa e senta na cama encostando nestes travesseiros aí…Não tenha medo não vou te estuprar.(obedeci) Meu pau parecia o pinto de um bebê todo encolhido
Pois era Julho e nesta época faz muito frio em Araçatuba…Rodrigo chegou até min, pegou meu pau e começou a sugar…A resposta foi imediata o danado cresceu tanto
Que chegava a doer…Agora é minha vez de beber…Aíííí!!! Soltei um grito quando o liquido gelado escorreu pelo meu pau…Imediatamente o Rodrigo começou a sorver
a bebida que havia banhado meu cacete!!! Caralho o que estava acontecendo ?! Eu não acreditava que estava ali sendo ordenhado por um bezerrão de 18 anos…Novamente ele
Voltou a derramar a bebida no meu cacete, algumas gotas alcançaram o meu cu, pois na ânsia de ser chupado eu havia levantado minha cintura para preencher a boca gulosa.
que me dava tanto prazer…Amigos!!! Meu corpo parecia um vulcão preste a entrar em erupção, e foi fatal…Junto com a bebida o bezerro agora engolia também a minha porra…
Achei que ele pararia por ali mais continuou chupando e derramou mais bebida no meu pau que continuava duro como um pedaço de rocha. Depois de vinte minutos no revezamento de
bebida gelada e boquete quente gozei novamente! Ainda tinha umas seis doses de bebida na garrafa e me perguntei se chegaria vivo até o fim da garrafa, pois o rapaz continuava.
com sede de bebida e porra…Soltei mais um gemido e gozei pela terceira vez…Chega!!! Implorei, tirei meu pau da boca dele, pequei uma coberta e me cobri, todo encolhido na cama…
Ouvi sua risada alta e triunfante. Um garoto de 18 anos havia vencido um homem de 30…Rodrigo então se enfiou entre as minhas cobertas e começou a alisar meu anel ainda virgem…
Eu estava tão cansado e trêmulo pela maratona de gozadas que sou consegui murmurar que era virgem. Nestas alturas já tinham dois dedos dentro de min. Pedi rouco de tesão e dor.
que ele parasse com aquilo, más foi em vão. Rodrigo agora forçava seu cacete na minha bunda, meu cúzinho não ofereceu resistência…E assim que a cabeça do seu pau já estava
agasalhada pelo meu anùs ele me abraçou, cruzou suas pernas na minha. Eu já havia percebido que cansado como estava e daquele jeito seria impossível escapar das garras
do meu Chuck(Boneco assassino de cú). Foi uma estocada só eu já estava com seu pau grosso e de 19 cm dentro de min…Comecei a chorar enquanto ele me socava, vinte minutos
e finalmente o gozo saiu, me inundado de porra e aliviando a dor que ainda era muito. Adormecemos daquele jeito, abraçados e exaustos…Um mês depois e já éramos amantes
e todos os dias tinha “festinha”, meu cu não era nem sombra do que um dia havia sido, estava largo, amaciado e sempre faminto…Eu estava trabalhando no meu turno da noite
Quando um colega da minha sessão me perguntou se eu sabia que o Rodrigo havia pedido as contas e que iria trabalhar pra concorrência, respondi que não. E aguardei ansiosamente
a hora de ir embora encontrar com meu amigo e perguntar porque tudo aquilo e porque eu estava sendo o ultimo a saber, já que éramos tão íntimos. Chegando em casa nem a roupa do
desgraçado tinha mais no guarda-roupa…Chorei, chorei fui até um desses disk cerveja comprei uma garrafa de Bacardi e voltei pra casa, fui sofrer na cama tentando imaginar
o “porquê” de tudo aquilo. Passou o tempo e eu nunca mais havia tido noticias dele. Para meu consolo fiz amizade com um carinha que teabalhava na sessão da madrugada e que
iria morar também na republica. O cara era super legal, o terror da mulherada. Um belo dia ele me pediu um favor, iria sair com uma coroa e precisava de um amigo tipo chato
pra evitar que a coroa o agarace demais…Topei de cara pois estava precisando me vingar de alquém e atrapalhar a foda da coroa sertia legal, além de que a conta correria por
conta dela(A vitima). Saimos e fomos para a EXPO, um tipo de festa de peão. Amigos se vocês nunca foram a festa de peão de Araçatuba…Não sabem o que tão perdendo. Nunca vi tanto
homem bonito e tesudo por metro quadrado. Cada macho, cada peão que eu chequei até a sentir inveja dos cavalos e touros que eram montados e domados ali na frente de todos. Más voltando
ao assunto atrapalha foda: A mulher era muito esperta e por mais que eu tentasse não consequia atrapahar os garras da velha que até babava no cangote do Marcos…As menininhas gostosas
e bonitas da exposição olhavam a cena e riam dos apuros que meu amigo passava. Ele olhava pra min de forma tão desesperada que eu resolvi apelar e simulei um desmaio, ali no meio de todos
meu amigo chegou a acreditar que era verdade e ficou desesperado. Carrega pra cá, carrega pra lá e toma água e cheira alho, resolvi não levar a coisa a diante e recobrei os sentidos…Hehehehe.
Depois de muito insistirem pra me levar ao médico, consegui fazê-los mudar de idéia alegando que isso era normal e que eu tomava remédio controlado e que misturando com bebida alcoólica, o efeito.
era sempre desmaios, enjôos e dor de cabeça. Tudo que eu precisava era um bom banho e cama. Fomos imediatamente para a república e eu ainda fui tão cínico que agradeci a atenção da “Isadora”(seu nome)
Ela insistiu pra que o Marquinhos ficasse em casa comigo e foi só ela ir embora eu cai na risada…Caralho você tava mentindo ?! Seu filho de uma puta. Eu acreditei caralho!!! Gritou o meu amigo
ainda tenso. Agora você vai ganhar uns tapas na bunda que é pra aprender a não brincar com coisa séria.(E partiu pra cima de min) sua força era imensa e com a maior facilidade eu estava deitado no colo dele
de bunda pra cima recebendo as tais palmadas…Isso me excitou e fiquei de pau duro na hora. Por instinto comecei a pedir mais tapas na bunda e a rebolar de tesão. Os tapas viraram dedadas e acabamos na cama
fazendo a famosa e gostosa posição do Frango Assado. Que castigo mais gostoso, eu realmente precisava daquilo. O Marquinhos me mordia o queixo enquanto me socava. Trepamos a noite toda…Uma semana depois a
boa notícia o meu grande amigo Rodrigo havia voltado para a empresa e também para a república…Agora seriamos um casal perfeito! A três é claro. Apresentei o Rodrigo pro Marquinhos e foi cama logo no
primeiro encontro. Não sem antes castigarmos o Rodrigo por ter saido da empresa e adivinha quem me ajudou a cartigá-lo ?! Isso mesmo! O Marquinhos…