Fim de noite de amigos

Já passava das 4h30 da manhã de um domingo, depois da balada do sábado, de terem bebido todas e beijado e se esfregado em todas garotas fáceis da noite, Bruno e Filipe caminhavam pelas ruas desertas do centro da cidade, ambos moram perto e também perto um do outro. Bruno é hétero, não há sobra de dúvida, Filipe é um pseudo-hétero, fica hétero na frente dos amigos ou como gostam os homossexuais de dizer, Filipe ainda está no armário. Filipe gosta de homem mesmo, mas suas aventuras sempre são furtivas, tem medo que a família e os amigos descubram, morre de tesão por muitos amigos, sofre por isso, mas segura bem as pontas. Bruno é um dos melhores amigos e um dos principais alvos do seu desejo.
Caminham como dois jovens bêbados que voltam tarde da balada para casa rindo, brincando, lembrando das coisas feitas durante a noite. Bruno ainda carrega uma long neck de cerveja quase cheia, que pegou na saída, Filipe bebeu menos e já encerrou sua cota de bebida.
Beijei umas 10 meninas… diz Bruno.
Sabe aquela loirinha de vestidinho vermelho? Aquela é a mais safada, ele até pegou no pau… continua contando vantagem, Bruno sempre gosta de aumentar suas histórias, os amigos já estão acostumados.
Filipe ri e concorda com tudo que o amigo diz. Passam por uma praça, Bruno sobe num banco, abre os braços e faz pose de Cristo Redentor com a cerveja na mão direita. Filipe em pé, afastado uns cinco ou seis passos não consegue deixar de percorrer o corpo do amigo com olhos, ele não vai notar, tranqüiliza-se, afinal, está bêbado. Bruno pula desajeitado de volta para o chão quase perde o equilíbrio.
Porra. Cair, não. Segura. Ô, Filipe. Se eu caísse você me segurava nos seus braços?
Segurava. responde Filipe para concordar com o amigo bêbado.
Ô, Filipe. Você é amigão mesmo, cara. Você é brother. Cara, você é o cara, o meu melhor amigo. Filipe, eu te prezo muito, meu irmão, quando os caras dizem que você é viado eu fico puto…
Filipe não ouviu mais o que Bruno dizia, de repente ficou surdo, ouvir quando os caras dizem que você viado o fez gelar todo. Não sabia, não imaginava que seus amigos comentassem que era viado. Voltou em si quando recebeu um abraço desajeitado de Bruno que quase caia.
Cara, não fica chateado, não. Pra mim não importa, se você é homem, se você é viado, tanto faz, você é meu amigo…
Continuaram caminhando pelas ruas escuras e desertas do centro, Bruno ora cantava, ora gritava, às vezes chutava algumas coisas pelo caminho e quase caia por cima de Filipe que o amparava com todo cuidado para não dar impressão que estivesse se aproveitado para tocar o amigo.
Cara, tenho que mijar disse Bruno.
Estavam exatamente no meio de uma ruazinha que utilizavam para cortar caminho entre uma e outra rua, essa ruazinha era especialmente escura, quase um lugar próprio para mijar e fazer outras coisas.
Ô, Filipe. Me ajuda aqui, não consigo segurar a cerveja, abrir a calça e segurar o pinto pra mijar…
Dá a cerveja que eu seguro.
Ô, Filipe, eu quero continuar bebendo enquanto mijo, me ajuda de outro jeito…
Que jeito?
Ah!!!, abre minha calça…
Ficou louco, cara. Pra depois você sair dizendo que eu sou viado…
Filipe. Espera aí, não seja injusto comigo que sou seu amigo, seu brother, cara. Eu não falo de você. Cara, sou eu que te defendo quando alguém diz uma treta estranha sobre você. Fica frio, brow, me ajuda aqui…
Filipe estava morrendo de vontade de atender o pedido de Bruno e ao mesmo tempo com muito medo e se fosse uma armadilha pra descobrir se ele era viado?
Cara. Me ajuda aqui, vai. Abre minha calça…
Muito nervoso, com as mãos tremulas, Filipe chegou ao lado de Bruno, sentiu seu corpo mole de bêbado encostar-se ao seu. Com uma mão ele segurava a cerveja que levava sempre aos lábios para dar um gole e com a outra se apoiava no muro. Os olhos de ambos estavam voltados para baixo, exatamente para parte do corpo de Bruno que Filipe iria desvelar. Relutante, quase a ponto de voltar atrás, Filipe abriu o botão da calça, depois abriu os demais botões, a calça era de botões e não de zíper.
Pronto. disse Filipe.
Pronto nada, cara. Agora põe pra fora.
Não vou pegar no seu pau, não. Tira você.
Ah!!!, Filipe, estou com a cerveja, estou me segurando aqui… Ah!!!, Filipe, chegou até aqui, termina o serviço…
Por termina o serviço, o que Bruno queria dizer. Sugeria que fosse além de apenas ajuda-lo a mijar? Filipe estava nervoso, morrendo de tesão, sentia a respiração de Bruno bem no seu pescoço, o cheiro dele, uma mistura de perfume, cheiro natural e de fumaça de cigarro da noite.
Está bem, vou fazer isso, mas ninguém…
Cara. Está louco. Acho que vou contar pra alguém, isso é entre nós, coisa de irmãos, cara. Irmãos.
Filipe abaixou a cueca branca de Bruno, puxou o pinto flácido do amigo pra fora e ficou segurando, esperando que ele mijasse. Jamais conseguiria mijar assim, mas Bruno parecia que conseguiria. E conseguiu. Logo o mijo veio, no começo meio tímido, depois correu pela calçada. Bruno mijou litros.
Chacoalha bem. pediu Bruno.
Filipe chacoalhou meio desajeitado.
Mais. Chacoalha mais pra não molhar a cueca. Faz como se estive batendo uma punhetinha que daí não fica nenhuma gotinha…
Filipe obedeceu. O pau de Bruno estava endurecendo. Parou de chacoapunhetar.
Não. Continua, cara. Pra não ficar nenhuma gotinha de mijo. Mijo deixa cueca branca amarelada, fica feio.
Filipe voltou a punhetar Bruno lentamente e o pau de Bruno ficou totalmente duro.
Aí, cara. Olha o que você fez. Me deixou de pau duro. E agora?
Filipe que já sabia disso, afinal o pau de Bruno estava em sua mão, apenas deu risada.
Malando. Aproveitou pra me deixar de pau duro. E agora?
Filipe continuou brincando com o pau do amigo, puxou o saco pra fora e acariciou. Enquanto isso sentiu que a mão de Bruno, aquela que estava livre, que não segurava a cerveja, empurrava sua cabeça para baixo. Ele queria uma chupeta. Filipe abaixou e abocanhou. Engoliu inteiro o pau do amigo. Depois lambeu o saco. Bruno fazia carícias no rosto de Filipe.
Peraí… Bruno derramou cerveja no seu pau e puxou Filipe de volta chupa com gostinho de cerveja…
Londrina, 12.05.2006.

7 Respostas to “Fim de noite de amigos”

  1. Charlie chris Says:

    Cara estarei em SP – capital de 20 a 25 de maio/2013, a trabalho, se tiver afim de tirar as pregas de um cara casado, gaúcho, discreto mas afim de provar algo diferente, sou virgem, meu email é gilsoncxs@gmail.com

  2. Luyz Karlos M. Says:

    Uiiiii…fiquei excitado! Adoro garotões sardos e bem dotados (25 cms, minimo) Quem se habilita? Pago bem. lmarini@hotmail.com.br

  3. Robson Punheteiro Says:

    Olá, meu nome é Robson, sou moreno claro, 1,80 de altura, 80 kilos, sou bem forte e malhado, corpo todo lisinho, bunda durinha e empinadinha, e uma rola de 20x8cm, grande, grossa e cheia de veias saltadas, chega a ser quadrada de tao grossa, é bem cabeçuda e sou bem sacudo, demoro bastante pra gozar, e quando gozo dou 8 esguichadas, lavo tudo de porra, sou extremamente insaciável no sexo, gosto de dar o cu, mas minha especialidade mesmo é meter a rola em um cuzinho bem gostoso, gosto de meter sem dó, sentir minha rola entrando bem lá no fundo e ouvir o cara gemer, gosto de meter com o cara de frango assado, vou metendo e beijando, alisando o corpo dele, esfregando meu corpo molhado de suor no dele, sou bastante fogoso e tenho bastante fôlego, amo me lambuzar na brincadeira, sou másculo e gato, nao faço sexo por dinheiro, mas sim por puro prazer, um grande abraço a todos, 19 96289021.

  4. Aranha Says:

    Morro de vontade de tirar as preguinhas do meu lindo cuzinho.estou concluindo o curso de Ed.Física e preciso de grana porque perdi o emprego.Quem vai querer?Não ligue a cobrar que não atendo.Antes quero ver fotos.Não sou garota de programa , mas quero rifar meu botão.Porque não?!!.(10) 8246-9810

  5. sl Says:

    Tratamento vip para o hospede
    No fim de 1993 meu primo Celso de São Roque veio passar o natal aqui em casa e trouxe seu amigo Marcelo, um moreninho magrelo cheio de histórias pra contar.
    Eu me lembro que o Brasil tinha acabado de perder pra Bolívia nas eliminatórias,e não podia perder de novo.
    Num desses jogos meu pai que chegava do trabalho ás 23:00, trouxe vinho e amendoim para nós, comemos e bebemos e trocemos feito loucos mas o Brasil empatou em 0 a 0 com o Paraguai, mas nós estávamos contentes pois três pré-adolescentes de fogo não tem do que reclamar, meu quarto era grande e tinha uma cama de casal, mas democraticamente, nós nos revezáramos, sempre um dormia uma noite no chão e os outros dois na cama.
    Neste dia eu e o Marcelo estávamos dormindo na cama, assim que o jogo acabou fomos pro quarto e ficamos vendo filmes de eróticos que passavam em canal fechado, eu estava com sono mas meu primo não nos deixava dormir com seu ronco
    Então de pau duro, Marcelo começou a esfrega-lo em mim, no começo eu não gostei mas depois meu pau também subiu e a brincadeira foi melhorando,acariciei seu pau dando sinal livre, ele fez o mesmo , tirei meu pau pra fora da cueca mas ele não quis pegar, só pegava se eu pegasse primeiro, bem coisa de adolescente, e ficamos naquele impasse até que resolvi pegar, ele pegou o meu também mas eu queria que ele virasse pra eu dar uma passadinha na bunda dele já que eu deixei ele passar o pau na minha .
    Não aceitou e eu fui dormir, mas antes de pegar no sono, ele encostou a bunda sem roupa em mim eu comecei a acaricia-la e logo estava de pau duro novamente, virei de lado e coloquei o pau na entrado do cu de Marcelo que estava tão receptivo que forçou o corpo pra traz fazendo o pau entrar completamente, e ali ficamos deitadinhos e metendo devagar, saboreando o primeiro cuzinho que eu comi na vida, Marcelo de vez em quando me dava umas mordiscadas certeiras bem na cabeça da pica me fazendo delirar,ô cu gostoso, gozei abundantemente em seu rego, daquele dia em diante, como eu era o dono da casa, meu primo dormiu no chão mais uma semana e eu fodi o Marcelo durante todos os dias de sua estada em minha casa, não podia ser um hospede melhor por isso dei-lhe o melhor tratamento,depois de quase 15 anos muitos cus já passaram pelo meu pau mas nenhum deixou tanta saudade quanto o do Marcelo de são roque.Ô cu gostoso!

  6. sl Says:

    Dando o cu dormindo e dormindo dando o cu
    Paulo era meu melhor amigo, certa vez seus pais foram viajar, mas paulo ficou em casa de castigo.
    Ele foi até minha casa me chamar pois não queria dormir só numa casa tão grande, meus pais concordaram e eu fui, um outro amigo que vou chamar de nequinho também foi e lá n´s fizemos a festa da pica, digo, da pizza
    Começamos a falar de e clima esquentou então a brincadeira acabou pois o neguinho disse que ia me comer, eu tava com vontade mas pra provar que era macho me fiz de ofendido, dei uns tapas no neguinho. Fomos para o quarto do Paulo assistir uns filmes pornô, o Paulo ficou na cama dele e eu e o neguinho ficamos no colchão da mãe dele no chão, reparei que o Paulo tinha dormido e o neguinho não tava nem aí pro filme.
    Fui até a cozinha beber água, quando voltei o neguinho tava sem roupa e pude ver todo o contorno de seu corpo de machinho gostoso sob o lençol, apesar de eu só ter 17 anos e o neguinho uns 15, ele já dava indícios de que seria a delicia de homem que é, com a desculpa do calor ser muito grande, tirei minha roupa e fiquei só de cueca.
    Fingindo dormir fui me aproximando do neguinho, até que encostei na sua perna ,então virei e com os olhos fechados e passei a mão de leve no seu pau,ele virou e fingindo dormir tamb´rm me deu uma bela encochada que pude senti-lo penetrando –me por sobre a cueca e ficamos assim por um pouco de tempo, eu jogando a bunda nele e ele me dando estocadas leves, nessa brincadeira ele levantou e foi ao banheiro deixando a porta aberta para eu contemplar o pedaço de carne que seria meu em breve e era algo de rara beleza,e grande pra idade dele 17Cm, enquanto ele mijava eu tirei minha velha cueca virei de cu pra cima tirando o lençol quando ele chegou o tesão falou mais alto e finalmente abriu minha bunda e tomando cuidado pra não me acordar, pude sentir ele cuspir bem no olhinho, o que me deu um puta tesão e logo respondi com uma piscada gostosa, o que ele entendeu como um sinal verde e pôs a pontinha do desvirginador de viado na porta do meu cu e empurrou devagar, sua pica era grande, fina e pontuda por isso ele colocou e eu só fui sentir que tava dentro quando seus pentelhos começaram a roçar a minha bunda grande e carnuda. O tesão tava me corroendo e eu não agüentando mais soltei um gemido alto e enpinei bem o rabo pra receber tudo que ele podia me oferecer.
    E disse: gostou né viadinho, eu sabia…Ficamos ali assistindo filme e fazendo as mesmas posições, eu fazia o papel da mulher ele fazia o papel do homem, as vezes ele gentilmente me chupava só pra aumentar minha vontade de dar o cu naquela noite dei o boga de todo jeito em todas as posições, levei umas quatro gozadas no toba até que lá pras duas da manhã ,exaustos fomos dormir.
    Não deu tempo nem de descansar direito e logo o Paulo acordou(todo adolescente acorda com o famoso tesão do mijo) e viu meu cuzinho rosado de tanto levar pica, não titubiou e sentou vara nele. Eu estava tendo um sonho erótico já tava quase gosando quando acordei com o peso de Paulo em cima de mim foi então que percebi que meu sonho se tornara realidade e mais uma vez empinei bem minha bunda pra facilitar o trabalho dele, afinal, pra isso é que servem os melhores amigos, ele então, sem falar nada, agarrou minha cintura e começou um balanço frenético,com estocadas fundas e balanço suave me levando ao delírio, logo que senti sua porra quente no meu reto gozei também sem ter nem estimulado o pau, só de ele me massagear a próstata.
    Das duas fodas gostei mais da segunda pois pude dar pro cara mais legal que eu conheci, mas se não fosse o neguinho eu não tinha agüentado o Paulo doido pra fuder daquele jeito.
    Paulo hoje é casado e nuca mais nos vimos.Quanto ao neguinho, dei o rabo pra ele mais duas vezes e pude come-lo uma, a ultima, parecia que ele estava adivinhando, pois me disse que me daria o cu pois seria o ultimo encontro nosso, depois de 6 anos que isso se passou, soube recentemente que o neguinho foi atropelado na porta da boate onde trabalhava e morreu, estou escrevendo este conto como forma de eternizar o maior desvirginador de viado que já conheci.quem sabe em outra vida terei o prazer de meter com você de novo, neguinho,nos vemos em breve!

  7. sl Says:

    Jogando bolas
    Tudo começou quando uma nova família mudou pra minha casa, eram pessoas bonitas mas algo me chamou a atenção, era o filho caçula que aqui vou chamar de Rafa, ele era dois anos mais novo do que eu(16 e 14), recém chegado da Bahia, me chamou a atenção e logo tratei de dar-lhe as ‘boas vindas’, ficamos amigos e conversávamos sobre vário assuntos, eu como não sou besta puxava a conversa pro lado do sexo e nós falávamos das nossas ‘catação’, tudo mentira mais valia a pena vê-lo excitado com minhas histórias, pra provocar, eu falei que só acreditava que ele era baiano se eu socasse o pau no cu dele e ele chorasse água de coco, eu dizia que já fiz de tudo só faltava comer um baiano, ele dizia que queria experimentar o cu de um paulista, com o passar dos dias ficamos amigos íntimos
    Uma bela noite nós estávamos batendo bola perto de casa e a bola caiu na laje do vizinho, eu o ajudei subir ele foi buscar a bola mais ao subir esfregou seu pau na minha cara, meu pau subiu na hora, quase não deu pra disfarçar, então comecei a jogar a bola de propósito no visinho só pra ter contato com aquele pau de novo.ele ficou nervoso disse:
    _você só joga a bola lá em cima cara parece que gosta de cherar meu pinto, da próxima vez vou deixa ele duro
    Acertou em cheio mas eu disse:
    _vai tomar no cu seu baiano viado, é você que tem o pé torto
    quando a bola caiu lá de novo ele foi pegar e desta vez demorou propositalmente com o pau na minha cara, pude senti-lo subir,abocanhei e dei uma baforada nele, quando rafa desceu estava de pau mais duro :
    _olha o jeito que você me deixou agora vai ter que me ajudar abaixar ele.
    Falei nervoso:_ ta achando que eu sou viado? E joguei a bola numa casa em construção fingindo ir pra casa, ele foi buscar a bola e eu fui atrás quando ele me viu pediu desculpa eu então apertei seu pau querendo por pra fora, ele não queria mas:
    _ ce num queria, agora eu vou fazer o que eu quizer com você seu baiano de merda pega meu pau.
    A pegação começou eu empurrei a cabeça dele pra baixo até meu pau ele mamou como ninguém depois subi ele e comecei lamber suas bolas e aponta do pau, virei ele de costa e comecei lamber seu rego ele empinou e abriu as nádegas me deixando ver seu cuzinho cheiroso, peguei seu saco por traz e chupei os ovos e seu pau.
    Ele ficou tarado e começou fazer muito barulho, então eu pus ele pra chupar mais meu pau, enquanto ele chupava eu sussurrava pra ele não fazer barulho.como ele era iniciante, fiquei um bom tempo abrindo o cuzinho dele com os dedos e ele morrendo de tesão até que eu pus a cabeça da pica e ele empurrou a bunda pra traz cravando tudo de uma vez então percebi:
    _ você já deu o cu antes seu filho da puta:
    _ cala a boca que quando você gozar sou eu
    gozei e ele quase me jogou no chão tamanha a pressa de sair debaixo de mim .fiquei de quatro pois eu era mais alto que ele e ele veio com tudo quase arrancando meu cu :
    _ vai devagar caralho. Ele mecheu com meus brios ao afirmar que eu não agüentava ele, só porque o pua dele era maoior que o meu ele achava-se o fodão, então eu passei bastante cuspe no cu e mandei-o vir, mau ele pois a ponta do cacete na minha bunda e eu fiz força pra traz engolindo tudo,doeu um pouco mas logo a dor se tornou tesão e ele metia tão gostoso que eu gozei de novo, assim nosso futebol virou troca-troca e mesmo depois de quase dez anos e com namorada a gente mata a saldade de vez em quando

Os comentários estão desativados.


Seguir

Obtenha todo post novo entregue na sua caixa de entrada.

Junte-se a 31 outros seguidores

%d blogueiros gostam disto: